Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Gambozina do amor

Blogadinha, em 13.02.09

    

      Onde amor e ódio não concorrem ao jogo, 

             o jogo da mulher torna-se medíocre.

 
                                                                 Friedrich Nietzsche   

 

 
Após a terceira derrota consecutiva, baralha-se em copas e abre novo jogo:
– Ok, já sabemos do meu destino... Vamos lá desvendar o teu.
 
Da evidência não me furto e assim a ironia:
– Mostra o que vales, e que seja melhor que o teu presente.
 
Qual croupier doméstico, revela a minha sorte em cada carta lançada:
– Vais terminar uma relação... por caminhos, um novo encontro... um bom homem.
 
"Cravo e Ferradura", pondero entre risos a patente da nova empresária.
– De que te ris? É um homem iluminado, digo-te. E vais mesmo casar!

 
Contra factos não há argumentos e nestes a minha rendição voluntária.
Que venha do mundo uma nova tendência para casamentos fosforescentes!
Há pessoas que têm mesmo mau perder...
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:


Comentários

De João Rodrigues Ferreira a 13.02.2009 às 18:27

Interessante! Não conhecia esta citação do individuo que, escondia as partituras ao Wagner e que, desenvolveu a teoria do super-homem, com a qual Hitler foi identificado (eu não partilho dessa opinião).

De Blogadinha a 16.02.2009 às 16:25

A leitura que faço da teoria é que o aperfeiçoamento da espécie obedeceria a um processo gradual e individual, sem imposição de conceitos e moralismos.

O Hitler acaba por ser a negação do super-homem, mas a irmã do filósofo não defendia o mesmo! Mais um jogo de mullheres...

Boa semana!


Comentar post



Impressão digital


cada qual no seu quadrado


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.